Solilóquio de um Louco

não sei quando é noite ou quando é dia
Se teu semblante é sonho ou fantasia
Sem contar o tormento de não ver-te
O avio em te lembrar minh’alma alcança.

Mas ah engano meu, tu me atropelas
Côa tua ingrata, pérfida inconstância
Ao ver, pois, no teu nio o meu destino
Ninguém de amor se fie: é desatino.

Preso à meria do prazer perdido
Disperso em minhas doidas esperanças
No mais, até de mim ando esquecido.

A apagar os incêndios da loucura
Por ti, Amor, ardendo e delirando
No prêmio dos marrios me despeço,

Dizendo um não sei quê, que não se entende.

Tags:, ,
Copyright © 2016. All rights reserved.

Publicado 12/01/2017 por acristino na categoria BrancaFlor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>